Exagero de Marketing, sua empresa pode cair nesse erroSerá que sua empresa está fazendo marketing de forma excessiva e desagradando os consumidores? Ou deveria fazer um pouco mais para obter maiores resultados? Para falar sobre o tema, jornal Diário do Nordeste Plus (versão especial para tablets) preparou uma entrevista com o professor e consultor W. Gabriel. Veja a seguir algumas dicas de como evitar essa miopia de marketing e cativar clientes durante o ano inteiro sem exagerar.

Manhã com Tropa - Quartel Digital - W. Gabriel, Hugo Lopes e Marcelo Borges - TendênciasClaro que o mercado digital continua crescendo. Mas atualmente não só isso. O mercado digital, para além crescer, vem amadurecendo. E, como todo amadurecimento, uma série de novas exigências são percebidas e outras já existentes, reforçadas. O peso que se dava antes aos resultados das ações digitais muda à proporção que as empresas e seus profissionais resolvem investir mais. Além disso, as ações sem fundamento ou visão competitiva passam aos poucos a não gerar crédito e a não convencer quem resolveria investir. Por fim, a imagem do profissional nos meios online começa a pesar nas decisões objetivas sobre em quem investir. São tendências para os próximos períodos que merecem ser consideradas. Veja a seguir a apresentação que fiz para o evento Manhã com Tropa, organizado pela empresa Quartel Digital. Vale ressaltar que esta edição do evento foi a maior de todos os anos e contou com apresentações de Hugo Lopes (professor e sócio da agência Index Digital), W. Gabriel (professor, mestre em Marketing, orientador CNPq e especialista na área digital) e Marcelo Borges (empresário dono do Barney's Burger).

Internetês? Nova linguagem social? Problema ou apenas o diferente surgindo? Cyber Movie como material da cibercultura ou uma ousadia demasiada? A diversificação pela qual passam as estruturas tradicionalistas de comunicação não são mais uma novidade, mas uma realidade que já adentrou empresas, relações interpessoais, artes, dentre outros meios. Assim como aprender mais de uma língua hoje em dia pode ser um fator competitivo no mercado de trabalho, um grau a mais de sedução interpessoal e até uma ferramenta que expande a expressão multicultural, dominar o fazer e os significados das expressões cibernéticas podem nos deixar um passo à frente na atualidade. Ouça a seguir, na íntegra, a discussão sobre esses e outros temas no programa Debates d'O Povo, na Rádio CBN, com apresentação de Ruy Lima e debatedores Marcília Dias (professora doutora da UFC), W. Gabriel de Oliveira (professor mestre da Unifor) e Emerson Maranhão (jornalista do OPovo).

Vídeo e fotos na internet são um dos tipos de conteúdo que mais empolgam usuários na internet. Não é à toa que os aplicativos mais populares atualmente investem no compartilhamento desses conteúdos entre as pessoas. Se juntarmos tais conteúdos com a tecnologia de mensagens instantâneas e redes sociais, chegamos a um fenômeno contemporâneo nas mãos dos próprios usuários que envolve tanto criação de conteúdo e compartilhamento em massa rapidamente, como também exposição excessiva, síndrome de celebridade, dentre outras características. Alguns até já receberam apelido de #brag­ger. Por que tudo isso? Veja algumas reflexões sobre o tema.

Os indivíduos sempre buscaram se relacionar. É fácil lembrarmos diversas atitudes pessoais durante uma paquera, um início de namoro ou simplesmente uma amizade. Grande número de ligações, trocas de confidências, registro de momentos especiais, dentre outros comportamentos caracterizaram ao longo dos tempos uma proximidade afetiva maior de uma pessoa com outra. Neste contexto, o uso das novas tecnologias potencializaram objetivos bem conhecidos em tempos anteriores, porém agora através de novos recursos, de forma a permitir também experiências e comportamentos peculiares. Mas será que as novas tecnologias não nos tiraram um pouco a liberdade de escolha em participar desse novo contexto? Vejamos algumas reflexões e uma matéria da TV União sobre o tema.

Participei recentemente do programa Conectado, da TV O Povo. Com apresentação de Arenusa Goulart e produção de Letícia Lopes e Natanael Oliveira, o programa traz debates e novidades do mundo tecnológico. Em minha participação, conversamos sobre o macroambiente digital, a necessidade de formação constante, as principais características dos profissionais de mídias digitais, algumas tendências e os desejos das empresas no que tange a internet. Veja o programa completo.

Como a marca da sua empresa é percebida pelo mercado? Essa deveria ser uma pergunta constante de qualquer organização corporativa. Saber o que seus clientes e formadores de opinião pensam sobre sua empresa pode ser o divisor entre ir direto para o declínio ou crescer vertiginosamente. Foi sobre esse tema que conversei com a jornalista Teresa Fernandes, do jornal O Povo, para a matéria ‘Mostre sua nova cara ao mercado’. Toda sua estratégia publicitária e de relacionamento, inclusive via internet, precisa considerar tais percepções. Confira mais a seguir.

Quando falamos de MPEs (Micro e Pequenas Empresas), precisamos de um olhar realista e contextualizado para analisar qualquer ação de marketing. Todo investimento precisa ser muito bem calculado e planejado para retornar o se pensou. Do contrário, pode virar um custo perigoso para a empresa. Com essa visão, trabalhar mídias sociais para MPEs se torna tanto uma grande oportunidade, como também um risco dos maiores, pelo que já conhecemos de histórias de empresas com crises em internet. No evento Feira do Empreendedor 2012, realizada em Fortaleza-Ceará, participei de uma mesa-debate sobre o tema. Para o momento, preparei 10 dicas rápidas de como MPEs podem trabalhar Mídias Sociais. Veja a seguir.

Se olharmos para trás, perceberemos que há somente 20 anos a internet chegava ainda embrionária ao Ceará e que há pouco menos de uma década a expansão popular da rede realmente pegou velocidade. Pouco tempo se considerarmos uma cidade fora no eixo sulista das grandes megalópoles brasileiras. O que pensar sobre esse fenômeno na cidade? Confira alguns comentários e também a matéria que a jornalista Ivna Girão produziu para o jornal Diário do Nordeste sobre os 20 anos da internet no Ceará. Ao final da matéria, veja também uma breve opinião exclusiva que dei ao jornal sobre esse assunto.

É comum ficarmos cheios de dúvidas quando o assunto é segurança sobre compras pela internet. A segurança da informação há tempos deixou de ser assunto restrito aos escritórios de TI e universidade. Hoje corre da sala da nossa casa às rodas de conversa do dia-a-dia. É seguro comprar na internet com tantos casos de senhas roubadas, fraudes de cartão de crédito e estelionato? Eu ainda defendo que sim e acredito que a crença do consumidor tradicional na internet vai aumentar ainda mais nos próximos anos. Veja a matéria do Jornal O Povo realizada pela jornalista Iane Parente em que também cedi depoimento e dicas de segurança para quem compra na internet.

Engana-se quem pensa que atuar na internet profissionalmente é um serviço fácil. Imagine então o trabalho que dá para empresas atingirem o sucesso utilizando a rede. Nessas horas, é um planejamento de trabalho consistente e controlado quem dá norte ao barco. Para “não se enrolar na rede”, a jornalista Luar Maria Brandão produziu uma matéria para o Jornal O Povo com alguns passos – matéria que também cedi depoimento para auxiliar no argumento. Seguem alguns comentários e o link para a matéria.

Uma prática muito vista nas redes sociais são movimentos em prol dos animais. Em defesa dos bichanos, hashtags são criadas, memes se proliferam e até anúncios são construídos em tom de denúncia. Em paralelo, animais oprimidos, abandonados ou perdidos também ganham a rede em um apoio multiplicado para seu bem estar. Dessa forma, a internet incide seus fenômenos de comunicação também sobre essa área, a dos animais. Veja a seguir matéria do Jornal O Povo, produzida pela jornalista Mirelle Costa, para a qual também colaborei com ponto de vista sobre tal fenômeno.

Vejo que a tecnologia, para a massa populacional, ainda é uma novidade, o que lhe confere ainda o ar de irresponsabilidade permitida. Para que hoje as vantagens venham a superar de vez as desvantagens, haveríamos de ter cada vez mais curadoria de conteúdo de qualidade, etiqueta pessoal e grupal em meios online e até controle de si sobre o uso das máquinas, para nunca deixá-las se sobrepujar ao experiencial humano. [W. Gabriel de Oliveira]
Leia a seguir, na íntegra, a entrevista de W. Gabriel de Oliveira para a Revista VMB, realizada pela repórter Natália Vilaça, sobre limites e benefícios das redes sociais da internet.

Conteúdo online não é só texto para Internet. A palestra 'Produção de Conteúdo para Ambientes Digitais' buscará quebrar essas percepção e apresentar ideias de como gerir informações por meio das nossas atuais ferramentas online. Se você ainda desconhece esse meio ou acha que já conhece tudo, vale a pena ir para ter novas ideias a partir das conversas e do bom papo descontraído por outros profissionais e interessados. Segue um pouco mais sobre o evento que o pessoal do Quartel Digital promoverá.